A lei do retorno existe

a lei do retorno

Muitas crenças falam na lei do retorno como um castigo, mas você já parou pra pensar que ela pode ser apenas um resultado natural dos nossos atos? A lei do retorno existe não só para o que fizemos de ruim, mas também para o que foi feito de bom e a prova está na história de cada um. Pense na sua vida atual, suas atitudes não determinaram o seu destino?

Na teoria, a lei do retorno se baseia no fato de que existe um mecanismo compensatório para equilibrar nossas ações no universo. Se somos pessoas positivas, teremos coisas boas, mas se somos negativos, atrairemos coisas ruins. Mas o que é ser uma pessoa positiva ou negativa?

Muitos de nós associam a negatividade ao ser. “Se sou uma pessoa má, logo sou negativo, vou atrair coisas ruins para a minha vida”. Isto não está totalmente correto, pois a definição de bom e mau depende de muitos fatores. Por exemplo, se moro na Índia e mato uma vaca para comer, nestas circunstâncias sou considerado uma pessoa má, mas para grande parte do mundo você fez isto para se alimentar, então não é um ato maligno, logo a lei do retorno não se aplicaria a esta situação, porém como um habitante da Índia e alguém que acredita que aquilo é errado, no meu interior sei que fiz algo ruim e isso irá gerar uma grande quantidade de energia negativa em minha vida.

Do outro lado, acreditamos que fazer o bem vai nos proporcionar coisas boas. Se eu doar 10% do meu salário a igreja todo mês, acredito que estarei fazendo algo bom, mas as pessoas que não acreditam na minha fé vão me dizer que estou sendo um idiota. Se no meu interior eu creio que aquilo é correto, estarei gerando energias positivas, não importa como o dinheiro esteja sendo utilizado, contudo se eu me deixar levar pelos comentários alheios, a dúvida irá me consumir e encher minha vida de pensamentos negativos. Para aqueles que tem fé e creem que Deus existe, a recompensa ou castigo virá a partir dele em vida ou após a morte.

O dicionário define o bem como algo que causa alegria e felicidade. O mal é o contrário do bem, assim como o mau é antônimo de bom. É importante saber a diferença. Bom é um adjetivo, característica de um substantivo, enquanto que o bem é um advérbio, característica de um verbo. O ser humano pode ser bom (adjetivo ligado ao substantivo humano) e fazer o bem (adverbio ligado ao verbo fazer).

Certo, mas ainda não confirmamos se a lei do retorno existe. Irei contar um fato sobre mim que pode ajudar a entender como isso funciona.

Minha irmã sofria de transtorno de ansiedade, eu sempre achei que isso era frescura dela e eu dizia isso a ela, não procurava ler sobre o assunto, as pessoas a minha volta achavam o mesmo e isso era o bastante. Com o passar dos anos fui me tornando uma pessoa mais empática e entendi que ansiedade é uma doença que pode ser grave ou não, depende do nível em que se encontra e causa muito mal podendo até evoluir para uma depressão. Com a vida adulta corrida e resultado de uma vida isolado em casa também fui ficando ansioso e me recusava a acreditar. Quando a ficha caiu, percebi o quanto tinha sido duro com a minha irmã e isto só potencializou o meu problema. Pensava na minha família e amigos me tratando da mesma forma que tratavam ela e acabei escondendo isto deles por muito tempo e isto me causou muito sofrimento.

Agora vamos pensar… Se lá atrás eu não tivesse julgado a minha irmãzinha e entendesse que aquilo era real, ter lido sobre o assunto, me informado, poderia até ter evitado o meu próprio problema. Eu poderia ter ficado ansioso antes, ou depois, mas de fato algo teria mudado, este é o ponto.

Se eu nunca tivesse entendido o que é ansiedade, morreria na inocência de que não fiz mal a minha irmã. As vezes o que é mal para mim não é para você, portanto a lei do retorno parece não se aplicar aqui. Agora vamos para uma situação onde fiz o bem.

Não vou comentar das vezes que eu ajudei pessoas e elas me ajudaram porque isto se chama gratidão, certo? Pois bem, sempre que achava ou via que alguém achou algum celular, carteira, dinheiro e etc. devolvia ou pressionava a pessoa que achou a procurar o dono para devolver, isto me fez refletir sobre o quanto as pessoas perdem as coisas. Para não acontecer o mesmo comigo, sempre ando com calças de bolsos longos, verifico se o mesmo esta furado, ando de pochete em eventos com muitas pessoas, principalmente carnaval. É claro que houve situações em que minha carteira, celular ou dinheiro caíram, mas sempre me devolveram. Faz 9 anos que não perco nenhum objeto pessoal. Se sempre pegasse as coisas que encontrei em vez de devolver, viveria com um medo de deixar cair algo e as pessoas pegarem. O medo atrai energias negativas. Quantas pessoas você conhece que deixaram cair o celular ou carteira e simplesmente desistiram de ir procurar alegando que provavelmente alguém já tinha levado?

Gostaria de contar coisas da minha vida que mostram mais claramente como essa lei é real, mas estaria me expondo bastante. Convido você a enviar uma situação que ocorreu na sua vida que demonstre como isto pode ser verdadeiro. contato@leidoretorno.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *